Bolsonaro e militares são alvo de investigação da Polícia Federal

Seja bem-vindo
Novo Hamburgo,05/03/2024

  • A +
  • A -

Bolsonaro e militares são alvo de investigação da Polícia Federal

agenciabrasil.ebc.com.br
Bolsonaro e militares são alvo de investigação da Polícia Federal


Logo Agência Brasil

A Operação Tempus Veritatis tem, como alvo, diversos militares que integraram o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro. Deflagrada nesta quinta-feira (8) pela Polícia Federal (PF), a operação investiga a existência de suposta organização criminosa que teria atuado numa tentativa de golpe de Estado.

Entre os investigados estão o ex-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) general Augusto Heleno Ribeiro Pereira, o ex-ministro da Casa Civil general Walter Souza Braga Netto e o ex-ministro da Defesa general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.



Notícias relacionadas:

Diante da notícia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse esperar que o rigor da lei seja aplicado contra aqueles que atacaram a democracia, ao financiar os acampamentos que culminaram na tentativa de golpe do dia 8 de janeiro de 2022.

“É muito difícil um presidente da República comentar sobre uma operação da Polícia Federal que ocorre em segredo de Justiça. Espero que não ocorra nenhum excesso e seja aplicado o rigor da lei. Sabemos dos ataques à democracia. Precisamos saber quem financiou os acampamentos. Vamos esperar as investigações”, afirmou Lula.



A declaração foi um recorte de trecho da entrevista concedida por Lula à Rádio Itatiaia. O comentário se referia à operação que cumpre 33 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão preventiva, além de 48 medidas cautelares que incluem a proibição de manter contato com outros investigados, a proibição de se ausentar do país, com entrega dos passaportes no prazo de 24 horas e a suspensão do exercício de funções públicas .



As medidas judiciais foram expedidas pelo ministro do STF Alexandre de Moraes. Entre elas está a de apreender o passaporte do ex-presidente Jair Bolsonaro.



A operação é deflagrada após o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro o tenente-coronel Mauro Cid ter fechado acordo de colaboração premiada com investigadores da PF. O acordo foi enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR) e já recebeu a homologação do STF.



Por meio de redes sociais, o advogado de Bolsonaro, Fábio Wajngarten, disse que “em cumprimento às decisões de hoje, o presidente Jair Bolsonaro entregará o passaporte às autoridades competentes. Já determinou que seu auxiliar direto, que foi alvo da mesma decisão e que se encontrava em Mambucaba, retorne para sua casa em Brasília, atendendo a ordem de não manter contato com os demais investigados”, postou Wajngarten.



Segundo a investigação, entre os alvos da operação estão:



- o ex-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) general Augusto Heleno Ribeiro Pereira;



- ex-ministro da Casa Civil e da Defesa general Walter Souza Braga Netto;



- ex-ministro da Defesa general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira;



- major da reserva Ângelo Martins Denicoli;



- coronel reformado do Exército Aílton Gonçalves Moraes Barros;



- coronel Guilherme Marques Almeida;



- tenente-coronel Hélio Ferreira Lima;



- tenente-coronel Sérgio Ricardo Cavaliere de Medeiros



- ex-comandante-geral da Marinha almirante Almir Garnier Santos;



- general Mário Fernandes;



- ex-chefe do Comando de Operações Terrestres do Exército general Estevam Cals Theophilo Gaspar de Oliveira;



- general de Brigada reformado Laércio Vergílio;



- Paulo Renato de Oliveira Figueiredo Filho;



- ex-ministro da Justiça, Anderson Torres;



- presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto.



Há mandados de prisão contra:



- o ex-assessor especial de Bolsonaro Felipe Martins



- coronel Bernardo Romão Correa Neto



- coronel da reserva Marcelo Costa Câmara



- major Rafael Martins de Oliveira.



O advogado de Filipe Martins, João Vinícius Manssur, informou que, até o momento, não teve acesso à decisão que fundamentou as medidas, mas que já solicitou o acesso integral aos autos para estudo e posterior manifestação.



A defesa de Anderson Torres informou que não teve acesso aos autos do processo e que só se manifestará após "análise mais apurada da situação".



O Centro de Comunicação Social do Exército informou que "o Exército Brasileiro acompanha a operação deflagrada pela polícia Federal na manhã desta quinta-feira", e que está "prestando todas as informações necessárias às investigações conduzidas por aquele órgão".



As medidas judiciais estão sendo cumpridas nos seguintes estados: Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará, Espírito Santo, Paraná e Goiás, além do Distrito Federal. O Exército Brasileiro acompanha o cumprimento de alguns mandados.



*Colaborou Felipe Pontes



*Matéria alterada para atualização




COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha

Baixe o Nosso Aplicativo!

Tenha todas as novidades na palma da sua mão.